Peep-Hole          Web Cam          Tv          Artists          Atelier           
Theory
          
News
          
Earth Cam          Collection          






Lady Godiva (c.1898)
John Collier


EN
From medieval times between 1040-1080 D.C. a strange story arrives at our days. The Legend of Lady Godiva.Lady Godiva was married to Leofric, a religious man but of obscure interests, he had obtain his richness and heading in the commerce of the sheep meat and decided to apply deep in a worthy public interest, financing and raising in 1043 an abbey in honour of Sta. Eunice de Saxmundham, gaining respect and admiration from Church and from population. Leofric was fundamental for the community and Lady Godiva became a very good knight having acquired a taste for the hunting, becoming involved herself in the social life, as an art enthusiastic.
Lady Godiva tried to finance the arts and divulge them in Coventry
. However the diverse taxes imposed by Leofric, to the population, did not leave space for the aspirations of Lady Godiva. Besides that Leofric launched a new tax on the commerce of objects of art. The aspirations of Lady Godiva in relation to the art could not advance if taxes were not reduced. Speaking with Leofric he said that such thing would never happen. But with time he finished for capitulating, making a proposal to his woman.
The old Greeks saw the naked human body as one of the raised expressions of perfection of nature. To present a naked body of great beauty would be art, and that could be a lesson of inestimable value to the simple people of Coventry.
If Lady Godiva truly believed in the crusade that she promoted, then had to lead it, and offer to the citizens of
  Coventry an example of the glorious beauty of a naked and perfect human body. In this way, Leofric said that if Lady Godiva mounted her horse and walked through Coventry , to the full light of the noon, only dressed with the clothes that God had given to her, as an example of perfection of God´s work then would reduce taxes to the population. For his great surprise Lady Godiva it accepted.
One day was chosen for the event, and when the hour approached, Lady Godiva sat down correctly in the saddle with a confident look and without shame. The people saw it and noticed that she was not mere undressed, or naked; she was in a raised state of presentation, had a special and raised quality in her posture. This was a simple and normal lady, one human being. The words of Leofric sounded like the true: this was a celebration of human perfection. Leofric perplexed, was behind a curtain observing Lady Godiva carrying her intentions to good term and surviving to the event with tranquillity and dignity. The taxes had been removed.
The legend of Lady Godiva is full of contradictions and diverse versions had been written throughout the
centuries, modifying and adjusting the history to the intentions of his authors. The voyeur Leofric became the “Pepping Tom” that represents and causes the symbolic guilt of the desire of the people to look at this woman naked only as object of art. The sexual tension between observer and observed, the punished and the rewarded one, anticipates the clinical definitions of Sigmund Freud of solipsism and exhibitionism of the modern times.


PT
Da época medieval entre 1040 - 1080 D.C. um estranho relato chega aos nossos dias. A Lenda de Lady Godiva.
Lady Godiva era casada com Leofric, um homem religioso mas de interesses obscuros, tinha ganho a sua fortuna e título no comércio da carne de carneiro e decidiu aplicar fundos numa causa pública digna, financiando e erguendo em 1043 uma abadia em honra da Sta. Eunice de Saxmundham. Ganhando respeito e admiração por parte da Igreja e pelos próprios camponeses que em torno da Abadia fizeram crescer Coventry. Leofric ganhou um papel fundamental na comunidade que entendeu como oportunidades para ele aumentar a sua fortuna e Lady Godiva tornou-se uma exímia cavaleira tendo adquirido um gosto pela caça, envolvendo-se na vida social, como entusiasmando-se pela arte.
Lady Godiva tentou fincentivar as artes e divulgá-las por Coventry. Todavia as diversas taxas impostas por Leofric, à população, não deixavam espaço para as aspirações de Lady Godiva. Além de mais Leofric lançou uma nova taxa para o comércio de objectos de arte. As aspirações de Lady Godiva em relação à arte para todos não poderiam avançar se os impostos não fossem reduzidos. Falando com Leofric este replicou que tal coisa nunca aconteceria. Mas com o tempo acabou por capitular, fazendo uma proposta à sua mulher.
Os gregos antigos viam o corpo humano nu como uma das expressões mais elevadas da perfeição da natureza. Apresentar um corpo nu de grande beleza, seria arte, que podia ser uma lição de valor inestimável aos camponeses simples de Coventry. Se Lady Godiva acreditava verdadeiramente na cruzada que promovia, então devia conduzi-lha ela mesma, e oferecer aos cidadãos de Coventry um exemplo da beleza gloriosa de um corpo humano nu e perfeito. Deste modo, Leofric disse que se a Lady Godiva montasse o seu cavalo e caminhasse através Coventry, à luz cheia do meio-dia, vestida somente com a roupa que Deus lhe tinha dado, como um exemplo da perfeição do trabalho de Deus então reduziria impostos à população. Para sua grande surpresa Lady Godiva aceitou.
Um dia foi escolhido para o evento, e quando o meio-dia se aproximou, Lady Godiva sentou-se correctamente na sela com um olhar confiante e sem vergonha. O povo viu-a e notou que não estava meramente despida, ou nua; estava sim num estado mais elevado de apresentação, tinha uma qualidade especial e elevada na sua postura. Esta era uma senhora, simples e normal, um ser humano. As palavras de Leofric soaram a verdadeiro: estava aqui uma celebração de estar em sua perfeição. Leofric perplexo, ficou atrás duma cortina espreitando Lady Godiva a levar a bom termo os seus intentos e sobrevivendo ao evento com tranquilidade e dignidade. Os impostos foram removidos. 
A lenda de Lady Godiva está cheia de contradições e diversas versões foram escritas ao longo dos séculos, alterando e ajustando a história conforme os propósitos dos seus autores. O Voyeur Leofric tornou-se no “Pepping Tom” que representa e acarreta a culpa simbólica do desejo das pessoas olharem para esta mulher despida somente como um objecto de arte. A tensão sexual entre o observador e observado, o púdico e o casto, o punido e o recompensado, antecipa as definições clínicas de Sigmund Freud de solipsismo e de exibicionismo dos tempos modernos.